Vagando em versos

quarta-feira, 17 de março de 2010

Labirintos

Até que um dia, por astúcia ou acaso, depois
de quase todos os enganos, ele descobriu a porta
do Labirinto.
 Nada de ir tateando os muros como um cego.
Nada de muros.
Seus passos tinham - enfim! – a liberdade de
traçar seus próprios labirintos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Oi, menina
Como estás? Saudades de ti.

R.